Take a fresh look at your lifestyle.

Urticária – Aguda, Crônica, Causas, Sintomas e Tratamentos

0

A urticária parece com uma simples reação alérgica na pele, mas não é. Ela tem o mesmo aspecto de uma reação alérgica, porém, não é desenvolvida como tal. A urticária é uma lesão que ocorre por uma ativação das células basófilos e mastócitos do sistema imunológico. Estas duas células são encarregadas pela liberação de muitos mediadores químicos, e junto à histamina que é uma substância que causa coceira e inchaço na pele.

Existem dois tipos de urticária, mas que são identificadas por tempo. A urticária aguda e crônica. A primeira é quando a lesão dura até 6 semanas e a urticária crônica é quando persiste mais de 6 semanas.

A urticária é um tipo de cobreiro comum, ou seja, um tipo de herpes zóster. De acordo com alguns sites de pesquisa, 20% da população apresenta pelo menos uma vez essa doença na vida. Cerca de 50% dos enfermos com este problema, indica ter lesões apenas na pele. Ela pode ser desenvolvida em qualquer pessoa e qualquer parte do corpo.

Uma curiosidade a ser revelada é que a classe de enfermidades que atingem a epiderme é a principal responsável por incapacitar uma pessoa tanto no desempenho de sua profissão, quanto na sua vida pessoal e inclusive emocional, se destacando entre as principais dez causas responsáveis por paralisar a vida e o bem-estar de uma pessoa. E esse cenário se justifica pelo fato de não só existir sintomas nítidos que se revelam na pele, tais como presença de manchas e feridas, mas também pela existência de condições de caráter orgânico, que abarca presença de dores ou coceiras tão grandes que acabam impedindo que uma pessoa consiga realizar atividades das mais simples até as mais complexas.

Quando as mudanças que ocorrem na epiderme de uma pessoa ficam bem nítidas, pode acabar deixando ela desconfortável principalmente no âmbito emocional e com isso acaba desenvolvendo problemas ligados à sua autoestima. Dos sintomas mais frequentes em casos de Urticária se destacam: descamação ou irritação na pele e a sua incidência acaba atingindo até vinte por cento das pessoas em pelo menos uma vez durante a sua vida.

Além das sensações desconfortáveis provocadas pelo problema, boa parte das pessoas que sofrem com ele, incluindo as alérgicas, não sabem exatamente o que de fato desencadeou a sua ocorrência. Agora com relação as mudanças físicas que acabam afetando a pele, pode ser decorrente do consumo de determinados alimentos, do contato direto com pólen ou ainda pelo constato com substâncias do dia a dia que podem causar irritação. E embora parece um desafio, tem como reduzirmos ou evitarmos ter contato direto ou indireto com esses fatores citados anteriormente.

No caso das crises de alergia, por exemplo, é muito complicado conseguir reduzi-las ou atenuá-las, em vista do fato de que as alterações que acontecem na temperatura, a existência de provocadores autoimunes, o processo de fricção da epiderme nos tecidos e até mesmo uma origem espontânea de lesões na região em questão acabam deixando ainda mais difícil o desafio de prevenir a ocorrência de um fato causador do problema.

A seguir iremos explicar tudo o que envolve o universo da urticária e te ajudar a preveni-la da melhor forma possível. Você aprenderá de fato se ela é uma alergia e ainda terá dicas caseiras de como trata-la de forma eficaz.

O que é alergia? Saiba sua definição

Para adentrarmos completamente no Universo da Urticária vale a pena compreender o que de fato é uma alergia. De forma geral, alergia nada mais é do que a reação que o nosso sistema de imunidade tem quando se depara com substâncias estranhas ao nosso organismo, tais como fungo, poeiras, pólen, remédios, pelo de animais, produtos voltados para limpeza de casa, picada de inseto e diversas outras.

Um indivíduo que tem alergia pode apresentar diversos sinais característicos, como:

  • Espirros constantes;
  • Obstrução no nariz;
  • Coriza;
  • Prurido;
  • Lacrimação;
  • Urticária;
  • Edemas;
  • Falta de ar;
  • Outros sinais adversos.

Afinal, Urticária é um tipo de alergia?

Tratar a Urticária como uma alergia vai depender muito da situação. Se por ventura ela for decorrente de fatores de origem alérgica, isto é, se ela surgir devido a circunstâncias externas, ela pode ser considerada como um tipo de alergia sim. Contudo, é importante frisar que a doença de Urticária não poderá ser tratada como alergia em determinadas situações.

A urticária se divide em diversos tipos, e alguns deles não podem ser vistos como uma espécie de alergia por não ter uma causa evidente. Um exemplo disso é a urticária espontânea que veremos logo mais a seguir.

Como a doença se classifica?

Depois de conhecer os diversos tipos de Urticária vale ainda destacar que ela se classifica de acordo com sua durabilidade e causa, de forma mais comum, mas é claro que existem outras maneiras para classificá-la, abarcando aspectos como sintoma por exemplo. Como vimos existe a urticária aguda e acrônica que são as mais conhecidas e elas se encaixam na classificação de tempo e causa. A durabilidade da primeira não ultrapassa seis semanas, enquanto a da segunda pode extrapolar um pouco esse período chegando até a durar anos. Aliás, foi a Sociedade Brasileira de Dermatologia que padronizou essa classificação, delineando as causas e o tempo que cada uma costuma perdurar.

As urticárias também podem ser classificadas como imunes ou autoimunes. Essa classificação se baseia no fator responsável por desencadear o seu aparecimento. Quanto a Urticária imune destacamos fatores como:

  • A presença da urticária crônica associada com anticorpos;
  • Existência de anticorpos do tipo séricos;
  • Presença de basófilos como células-alvo para auto anticorpos;
  • Problemas com deficiência de certas substâncias.

Já no caso das doenças autoimunes, delineamos algumas situações características a seguir:

  • Liberação direta de mediadores pertencentes aos mastócitos;
  • Fatores como o ácido acetilsalicílico, remédios antiinflamatórios de caráter não hormonal e pseudo-alérgino de alimentos, como é o caso do corante;
  • Presença de inibidores da enzima responsável por conservar a angiotensina.

Para finalizar a parte de classificação, temos que enfatizar que as urticárias também podem ser identificadas por intermédio do grau de intensidade com que ela se apresenta. Esse grau varia entre uma escala de 0 a 3 e funciona da seguinte maneira:

  • O grau é considerado 0 quando a doença não desenvolve o surgimento de urtica ou prurido;
  • O grau é 1 quando as urticas se limitam até no máximo vinte de sua quantidade, com durabilidade de até um dia corrido e o prurido se apresenta de forma leve;
  • Já no grau 2, a urticária é considerada de nível moderado. Variam entre a presença de vinte e uma até no máximo cinquenta urticas, com duração de até um dia e o prurido já se apresenta de forma moderada;
  • E por fim, o grau 3, considerado o mais grave, é identificado quando o indivíduo sofre com o surgimento de mais de cinquenta urticas na pele e o prurido se destaca por se apresentar de maneira intensa.

Quais os tipos de Urticária?

A doença em questão pode ser dividia em diversos tipos, apesar da versão aguda e crônica serem mais conhecidas pelas pessoas de maneira geral. A ocorrência do problema nesses outros tipos é consideravelmente menor, contudo se não forem tratadas corretamente podem agravar. Fique logo mais com as principais tipologias de Urticária:

AGUDA:

Notícia Diárias Para Quem Não Tem Tempo

Nesse tipo de urticária, as lesões se originam pelo fato do indivíduo ficar muito exposto a substâncias alérgicas e isso ocorre o seu organismo é extremamente sensível ou ainda pela possível existência de uma reação decorrente de alergia ao produto. A Urticária aguda decorre principalmente do consumo de determinados alimentos, remédios ou substâncias ligadas à alergia de variados tipos, desde a pelo de animal ou de perfume.

Uma estimativa prevê que pelo menos cinquenta por cento das situações de urticária aguda se origina de infecção, em especial a que atinge o sistema respiratório. Além disso, vale enfatizar que na fase infantil essa porcentagem sobe para oitenta por cento de ocorrências originárias de situações infecciosas.

Os principais causadores responsáveis pelo desencadeamento de manifestações decorrentes da doença são:

  • Determinados alimentos, dos quais podemos dar ênfase aos morangos, frutos do mar, castanha, alimentos derivados de leite e condimentados;
  • Determinados remédios, desde antibiótico até anti-inflamatório, morfina e codeína;
  • Picadas de alguns insetos, desde abelha até vespa;
  • Infecção provocada pela existência de vírus;
  • Certas substâncias usadas para a realização de exames com radiação.

A versão aguda é de caráter auto limitante e de transitoriedade, visto que a reação causada pela nossa pele tem durabilidade estimada, não ultrapassando seis semanas corridas. Além disso, durante esse período de tempo, as urticas que surgem podem intercalar entre aparecer e desaparecer. Vale enfatizar que esse tipo de urticária pode ser solucionado por completo, onde a pele do indivíduo se recupera eficientemente e não fica nem uma sequela.

Por se tratar de um problema é tratado de forma isolada, as suas verdadeiras causas são identificadas com bastante facilidade, como ocorre no ato de consumir algum tipo de alimento, por exemplo, e é essa facilidade que torna o início do tratamento com índice de eficiência elevado. Dessa maneira, a utilização de anti-histamínicos moderadamente costuma ser o bastante para curar a maioria dos registros de Urticária Aguda.

CRÔNICA:

Na totalidade de diagnósticos realizados de urticária, cerca de trinta por cento representa seu tipo crônico. Os sinais da doença nesse caso podem ultrapassar seis semanas, podendo perdurar por até anos seguidos.

Uma porção considerável de indivíduos diagnosticados costumam reagir positivamente ao tratamento realizado a base de remédios antialérgicos, uma vez que o grau de urticária costuma ser mais leve, mas existe uma parcela, que por ser atingida por uma versão mais gravídica do problema, que acaba não respondendo bem aos remédios mais tradicionais.

CRÕNICA ESPONTÂNEA (UCE): Esse tipo chega a atingir cerca de dois por cento da totalidade de indivíduos do planeta e referente aos casos diagnosticados como crônicos, ela abarca cerca de sessenta por cento. Nesse caso, a pele tem reações e sofre com o aparecimento de urticas sem o devido conhecimento das causas que levaram seu surgimento. Algumas pesquisas desconfiam que existe a chance desse fato se justificar pela existência de fatores causadores de caráter autoimune. É nessa situação que boa parte dos indivíduos costumam evidenciar diversas outras condições de aspecto autoimune, tais como a tireoide.

CRÔNICA INDUZIDA: a Urticária desse gênero não se trata de uma enfermidade autoimune e seu desenvolvimento pode ocorrer devido a aspectos físicos. Esse tipo de Urticária ainda se subdivide em:

  • Urticária de Dermografismo:nesse caso a epiderme fica muito sensível tem a tendência de sofrer com o aparecimento de lesões decorrentes da pressão. De forma geral, qualquer pequeno arranhão, pressão na pele ou a utilização de vestimentas muito justas podem machucá-la, onde inicialmente a pele sofre com leves coceiras até formar a lesão na região. O nome dessa Urticária significa “escrever na pele”, e se justifica pelo fato de que qualquer contato, ao menor que seja, deixa a pele marcada com uma espécie de risco ou desenho. A elevação provoca na epiderme em vista desse aspecto costuma desaparecer aproximadamente duas horas após o seu surgimento;
  • Urticária de frio:como o próprio nome diz, essa é uma versão da doença que surge quando um indivíduo se expõe a temperaturas muito geladas. Normalmente, pela temperatura ser fria, as urticas que costumam aparecer são mais leves, visto que o ambiente as tornam mais reduzidas, limitando sua proliferação. Contudo, vale enfatizar que se existir qualquer contato como objetos gelados ou ainda a pessoa tomar banho com água em temperatura fria, tudo isso contribuirá para que os sinais específicos da doença se desenvolvam e agrave as lesões que aparecem na pele. Inclusive, pode surgir problemas com dor de cabeça, pressão baixa e ainda o indivíduo pode acabar ficando inconsciente. Os jovens de fase adulta costumam sofrer com mais frequência com a sensibilidade ao ambiente frio e um pouco menos de cinquenta por cento das ocorrências desse tipo de doença, melhoram seja de forma parcial ou completa por um período de até cinco anos das manifestações iniciais;
  • Urticária de calor:Assim como a de frio, essa urticária decorrer da temperatura só que nesse caso nos referimos ao calor. Embora seja rara, ela pode acometer um indivíduo e provoca reações na pele cinco minutos depois de acontecer um contato direto com algum objeto ou substância muito quente. Os sintomas que variam entre dor de cabeça, lesões, tontura, dor no abdômen e possíveis desmaios costumam melhorar depois de uma hora do seu surgimento. Coceiras, ardor e inchaço no local também podem aparecer.
  • Urticária solar:Esse tipo atinge um por cento dos diagnósticos de urticária e apenas trinta por cento dos afetados conseguem melhorar de forma espontânea. A distinção da urticária solar para a de calor é que a primeira só surge quando a pele fica exposta a luz direta do sol. Quando isso ocorre, a pele começa a se manifestar meia hora depois ou até de maneira imediata. A melhora só começa a surgir depois de quinze minutos ou de até três horas posteriores a sua manifestação;
  • Urticária de Pressão retardada:dos diagnósticos realizados de urticária de pressão retardada, a maioria está ligada à sua versão crônica. Na medida em que ela se manifesta, a pele vai sofrendo lesão ou edema de corrente da pressão que ela sofre com um simples arranhão, uso de roupa muito apertada e qualquer outa condição de contato físico direto. Tais reações só surgem depois de quatro horas do fato causador;
  • Urticária Vibratória:Nesse caso, as lesões que surgem e afetam a pele decorrem principalmente de atividades simples como a corrida, quando a pessoa pula ou ainda acaba apresentando contato com determinados tipos de aparelhos que possui a função vibratória. Esse tipo de urticária é extremamente rara e atinge geralmente as crianças. Depois que os sintomas aparecem, só começam a melhorar depois de duas horas corridas;
  • Urticária de Contato:A pele sofre lesões decorrentes de substâncias de caráter alérgico. Dentre as mais frequentes destacamos: as plantas, animal, cosmético, o látex, alguns tecidos e produto químico. A reação que surge não se dá necessariamente pelo contato com tais agentes condicionantes, podendo aparecer por vários outros motivos. Quando ela se manifesta, os sinais característicos surgem muito rápido. Em alguns casos, para se ter uma real manifestação dos sintomas dessa urticária, o indivíduo precisa ter contato contínuo com a substância pois as vezes o nível de sensibilidade ao agente é fraco;
  • Urticária Colinérgica:Os sinais dessa urticária aparecem na pele quando o corpo recebe estímulos que promove o aumento de sua temperatura. Diferentemente da urticária de calor, qualquer motivo que eleve a temperatura corporal já se torna uma válvula de escape para a manifestação da doença. Quem pratica atividade física com regularidade, sofre com esse tipo de urticária com mais facilidade. Porém alguns outros fatores de risco podem desencadear seu aparecimento, desde tomar um banho mais quente, até ter febre, comer determinados alimentos de função termogênica e inclusive sofre elevação de temperatura por causa de problemas ligadas ao emocional, como é o caso da ansiedade, por exemplo.
  • Urticária aquagênica:ocorre com maior frequência, mas ainda assim é muito limitada, tendo sua durabilidade entre meses ou anos. No caso dessa urticária, o indivíduo sofre com sintomas na pele no momento em que apresenta contato com água, não importando a temperatura em que ela se apresenta. Desse modo, tanto o banho normal, como o de chuva pode provocar sintomas da doença;

O que é Urticária Nervosa?

Quando falamos de Urticária Nervosa, estamos nos referindo a um problema que causa uma espécie de lesão na nossa epiderme, por intermédio da formação de placas com aspecto avermelhado. Tais placas se caracterizam por apresentar coceira de intensidade elevada, problemas com irritação e até mesmo algum tipo de inchaço, que costumam aparecer repentinamente e logo após minutos ou até horas eles desaparecem como se não tivessem nem surgido em algum momento.

Muitas são as dúvidas com relação aos fatores que podem promover o aparecimento desses problemas nas pessoas. No geral são fatores ligados ao emocional do indivíduo que geralmente provoca estresse e tensão. Separamos os mais comuns para você conhecer:

  • Trabalhar de maneira excessiva;
  • Mudança repentina na rotina diária;
  • Problemas de conflitos com pessoas do convívio familiar;
  • Problemas com desemprego;
  • Algum tipo de frustração;
  • Problemas que desencadeiam fatores de estresse.

Dessa maneira, quando um indivíduo apresenta os sinais da Urticária Nervosa, pode ter os sintomas piorados caso se depare com alguma situação que influencie diretamente no seu bem-estar emocional, da mesma maneira que eles podem melhorar a partir do momento em que a saúde emocional se equilibre novamente. Nesse contexto, o recomendado é que se faça regularmente um acompanhamento de caráter psicológico com um profissional de sua confiança, para que seja possível manter as emoções sob controle e prevenir que a urticária ataque novamente.

Como tratar a Urticária Nervosa?

Basicamente, todos os métodos voltados para tratar esse tipo de urticária priorizam exclusivamente promover o alívio satisfatório dos sintomas provocados por ela. A maior parte dos especialistas da área orientam a utilização de alguns remédios específicos para diminuir tanto a coceira como também a irritação que acaba gerando na pele do paciente. É imprescindível que o indivíduo siga exatamente todas as orientações que receber do seu médico, a fim de que o tratamento tenha bons resultados, porque tomar mais ou menos do que a dosagem necessária do medicamento pode não só piorar os sinais da doença, como também pode promover o surgimento de novos problemas gravídicos.

Outra forma eficaz para tratar a urticária em questão é tomar banho com aveia ou alfazema, pois ambos possuem propriedades que ajudam a reduzir a coceira e as irritações na epiderme de forma significativa. É possível também utilizar sais de Epson com óleo de amêndoas, para realizar uma esfoliação, visto que os dois possuem substâncias que promovem bem-estar e ainda reduz também toda a irritação existente na pele.

O que é Urticária Crônica?

O nível crônico da urticária é mais grave e para se ter uma ideia, mais de noventa por cento dos indivíduos que sofrem com ela passam anos e anos sem apresentar nenhum tipo de sintoma característico quando fazem o tratamento correto e orientado por um bom profissional, o que enfatiza a importância de ir em busca de um médico o quanto antes.

Independentemente do tipo de urticária na qual o indivíduo esteja enfrentando, para tratá-la existe o método padrão, que é basicamente o que utiliza remédios específicos para aliviar os sintomas causados pelo problema. Lembrando que a quantidade exata da dose do medicamento necessária para que esse alívio de fato aconteça, somente o profissional da área pode prescrever com segurança.

Claro que a facilidade e a vontade de se automedicar nesse e em diversos outros casos é bem predominante, porém precisamos nos conscientizar de que essa situação pode comprometer seriamente a nossa melhora e ainda pode debilitar cada vez mais a situação da nossa saúde.

E se por ventura, mesmo com o tratamento a base de anti-histamínicos, os sinais da urticária não desaparecerem após duas ou até um mês subsequente, o médico precisa apelar para outras formas de tratamento, mais modernas e que inclusive já estão disponíveis no Brasil. Vale ressaltar que mais de vinte por cento dos casos registrados com urticária crônica não consegue controlar totalmente os sintomas com a utilização dos remédios específicos e é em vista desse cenário, que muitas vezes é necessário utilizar outras abordagens de tratamento.

No caso da versão mais grave, pode ocorre inchaços e também outros sintomas dos quais enfatizamos a dor nos lábios, nas pálpebras, na parte íntima, na palma da mão e até nos pés. Se por acaso existir chance de as vias aéreas terem sido obstruídas, o indicado é que se procure urgentemente uma ajuda profissional, para que o tratamento eficiente seja aplicado imediatamente. Mas como você pode saber se suas vias aéreas sofreram obstrução? É simples, preste atenção nos principais sintomas recorrentes nesse caso em especial:

  • Inchaço na garganta acompanhado de dor;
  • Náusea;
  • Possíveis vômitos;
  • Pressão baixa.

E antes de qualquer tentativa de automedicação, você precisa conhecer bem todos os riscos que os remédios à base de corticoides podem oferecer para a sua saúde. Infelizmente essa prática impensada é bem comum, pois as pessoas querem agilidade na melhora e não em paciência para irem a um consultório médico. Porém, utilizar esse tipo de medicamente sem orientação adequada, pode acabar promovendo alguns efeitos inesperados no organismo do indivíduo. São eles:

  • Ficar dependente da droga;
  • Ter mudanças na estética;
  • Ter mudanças graves no metabolismo, das quais estão a obesidade, a pressão alta, a osteoporose, o diabetes e assim por diante.

Urticária na região do rosto

E para quem ainda desconhecia, não se caracteriza urticária apenas quando o problema atinge o corpo de maneira geral. O problema pode tanto se instalar em uma parte específica, como também pode acometer várias ao mesmo tempo. No caso do rosto, por exemplo, é possível que você esteja sofrendo com algum grau de urticária somente nessa região e a seguir separamos os melhores tratamentos voltados para esse caso:

Utilizar os benefícios de uma compressa: a compressa feita com água fria é ótima para diminuir sintomas da urticária, desde a irritação na pele até os inchaços eventuais. Para fazer é bem simples, basta pegar uma toalhinha de algodão que você tenha em casa e que esteja bem limpa, em seguida molhe ela na água, retire o excesso e assim aplique-as em cima das partes que foram atingidas pelo problema. E não há limite para a utilização dessa dica: e aliás, você pode molhar novamente a sua toalha, em um intervalo de dez minutos, para que a água esteja sempre fresca e a irritação da pele reduza cada vez mais. Além disso, vale alertar aqui que não é indicado que se use água gelada demais, pois ao invés de ajudar pode agravar ainda mais os sintomas da urticária, sem falar das compressas com água morna ou quente, que apesar de aliviarem momentaneamente as coceiras, podem provocar a piora do quadro com o passar do tempo.

Utilizar os benefícios da aveia: já mencionamos aqui que um bom banho com aveia pode auxiliar na melhora dos desconfortos provocados pela urticária não é mesmo? E isso é verdade, a aveia possui propriedades que aliviam as coceiras geradas não só pela urticária, como também pela catapora e até mesmo aquela gerada em decorrência de queimadura solar. Esse remédio caseiro é extremamente eficaz e é uma dica ótima também para os casos de urticária que se alastra por todo o corpo do indivíduo. Se você estiver com o problema na região do rosto, siga as seguintes orientações: separe uma tigela de tamanho razoável e nela prepare o concentrado de aveia. Depois é só mergulhar seu rosto nela, lembrando sempre de prender a sua respiração. Se preferir algo mais simples, pode fazer uma compressa dessa substância e aplica-la nas regiões da face que foram afetadas pelo problema ou ainda fazer uma máscara especial com a aveia crua e aplica-la deixando agir por alguns minutos no rosto.

Para preparar o banho de aveia, separe uma meia de nylon que você tenha em casa, enche-a de aveia e uma ponta você deve prender na torneira, a fim de que a água entre em contato com ela, e não esqueça de prender a outra ponta. Dessa forma a água passa pela aveia e cai direto na banheira, sem sujar seu banheiro e sem correr o risco de provocar algum tipo de entupimento. Se você usar uma aveia mais fina, pode pegá-la e jogá-la diretamente na água em que tomará o banho, lembrando que ele deve ser em temperatura fria, nada de banhos quentes, mornos ou muito gelados.

No caso da máscara mencionada um pouco anteriormente, para prepara-la também é simples: Você vai pegar uma colher de aveia e misturá-la com uma colher de mel e outra de iogurte. Depois que misturar bem você irá aplica-la na pele do rosto e deixar agir por um tempo mínimo de dez minutos. Em seguida você só irá enxaguar a máscara e tirá-la do rosto utilizando o auxílio da água em temperatura fria.

Utilizar os benefícios do abacaxi: Para quem não sabe, o abacaxi é uma fruta rica em bromelaína. A bromelaína é uma espécie de enzima que possui capacidade de diminuir problemas com inflamação e inchaço. Para se beneficiar dessas propriedades, pegue um abacaxi bem fresco e corte- o em pequenos pedaços. Em seguida não tem segredo: é só pegar tais pedaços e aplicá-los nas regiões em que a urticária atingiu. Fazer esse tipo de tratamento caseiro não tem nenhuma base científica comprovada de eficiência, portanto, se você por acaso for alérgico a fruta, não tente de nenhuma maneira utilizá-la para qualquer fim.

Utilizar os benefícios do Bicarbonato de sódio e do bitartarato de potássio: Fazer uma pastinha utilizando ambos elementos, acredite se quiser, ajuda e muito na redução e alívio dos sintomas provocados pela urticária. Tanto o bicarbonato de sódio, como o bitartarato de potássio, possui substâncias de caráter adstringente e auxiliam na diminuição de reações como inchaço e coceiras provocadas na epiderme pelo problema em questão. Para preparar a pasta é só misturar uma colher de sopa de cada substância com uma quantidade relevante de água, até conseguir obter a consistência pastosa. Em seguida é só aplicá-la nas regiões atingidas pela urticária, deixando-a agir por pelo menos dez minutinhos. O último passo você já sabe: para enxergar o concentrado use água fria e repita esse método toda vez que achar preciso para o seu alívio.

Utilizar os benefícios da Urtiga: Nem todo mundo sabe disso, mas a Urtiga sempre fora utilizada para combater urticária. Para aproveitar as suas propriedades benéficas, você precisa fazer um chá da planta utilizando uma colher dessa erva na sua forma seca. Quando o chá ficar frio por completo, aí sim você poderá molhá-lo em alguma toalhinha limpa que você tenha e fazer uma compressa nas regiões atingidas pelo problema. Não existe também nenhum método científico que garanta a eficácia desse método, portanto, as informações que existem sobre o chá em questão serem ótimos são basicamente ligados a experiências de pessoas que passaram pelo problema e o utilizaram para ajudar a tratá-lo. Portanto, se você quiser, pode testar essa dica e repeti-la sempre que quiser, lembrando que todo dia é necessário fazer um chá novo, pois depois de vinte e quatro horas ele perde suas propriedades benéficas.

Além disso, armazene o chá que não usar na geladeira ou no seu congelador. E preste bastante atenção no alerta a seguir: mulheres ou que estão em período de amamentação e crianças não podem fazer uso do chá de urtiga. No geral, com essa exceção, qualquer um pode tentar aproveitar os benefícios dessa bebida, lembrando que é sempre importante ir no médico primeiro, caso você tenha diabetes, hipotensão ou se tome algum medicamento específico, para que saiba com segurança se pode ou não fazer o uso do chá de urtiga.

Principais Causas Urticária

Há várias formas de contrair está lesão, mas não é sempre que podemos descobrir qual foi o agente transmissor. Os pacientes com urticária aguda é mais fácil de ser identificada. Já os pacientes com urticária crônica, muitas vezes acontece de não descobrir, pois os mastócitos da pele agem com agressividade, assim dando interferência na identificação.

Este problema quando dado em criança, mais de 80% dos casos não são alérgicos, nem ocorre pelo vírus, bactérias ou parasitas. Mas pela gripe, resfriados, infecção de urina, mononucleoseHIV e entre muitos outros.

Já as alérgicas, podem aparecer após o contato com o agente transmissor. O tempo é muito curto. Geralmente, os transmissores são:

  • Anti-inflamatórios
  • Picadas de insetos
  • Contato com o látex
  • Alimentos, como ovos, frutos do mar, corantes, entre outros
  • Contato com plantas, pólen, tinta, perfumes, entre outros

E em casos mais raros, podem ser provocados por outras doenças, como:

  • Artrite reumatoide
  • Doença celíaca
  • Lúpus;
  • Mieloma múltiplo
  • Síndrome de Sjögen
  • Vasculites

Principais sintomas da doença

É muito importante saber identificar os sinais mais característicos da Urticária e o principal que devemos conhecer é o chamado vergão, que surge em grandes quantidades e possui algumas características específicas, a saber:

  • Aspecto avermelhado;
  • Saliente;
  • Costuma coçar de maneira intensa;
  • A sua forma é dominantemente oval;
  • São de tamanho pequeno, mas é possível notá-los na pele de forma evidente.

Qual a importância de buscar ajuda profissional?

Ir atrás de uma ajuda profissional é essencial pois embora exista alguns métodos caseiros que ajude a tratar a urticária, só o médico conseguirá com precisão diagnosticar o tipo que você provavelmente está sofrendo e dessa maneira orientá-lo para os melhores tratamentos. Assim que os sintomas começarem a aparecer não espere para procurar o médico, dessa forma você evitará possíveis complicações.

Qual profissional mais indicado?

Em caso de suspeita de Urticária, o mais indicado é que você procure um médico da área dermatológica, um clínico geral ou um médico especialista em alergias ou infecções. Todos esses profissionais são os mais qualificados na hora de se realizar o diagnóstico seguro da urticária, bem como monitorá-la de forma correta.

Como o diagnóstico é feito?

No momento em que você decidir ir até um médico especialista, é importante anotar as suas evoluções em relação a doença. Desde o tempo em que as urticárias vêm mantendo presença, até registrar outros possíveis sintomas que a ele possam estar associados. Além disso é importante informar ao profissional sobre o seu histórico médico, a fim de que ele possa saber se você possui alguma outra condição que possa interferir no diagnóstico e conhecer os remédios ou suplementos que você use regularmente. Toda informação é bem-vinda e pode influenciar significativamente no resultado final das observações profissionais realizadas.

Naturalmente, o profissional fará uma série de questionamentos. De forma geral ele irá quere saber quais os outros possíveis sintomas que você vem sentindo, se eles se alteram no decorrer do tempo, se os vergões que surgiram na pele tendem a coçar, queimar ou até mesmo doer. Além disso o médico perguntará se você tem alguma alergia ou se já sofreu com urticária em algum outro momento na sua vida, irá querer saber também se alguém da sua família já teve o problema ou se já apresentou uma reação alérgica similar a sua.

Se você toma algum remédio para tratar algum outro problema, o profissional irá querer saber e ainda irá questionar sobre qual a dosagem tomada diariamente. Será investigado todo o seu cardápio alimentas do dia a dia, se você tem costume de comer alimentos específicos tais como frutos do mar e ainda ele irá querer saber se você tem algum problema de saúde a parte e qual é esse problema.

É possível perceber como a investigação é profunda não é verdade? Pois bem, em seguida entramos com o processo de diagnóstico. Na maioria dos casos é feito apenas um exame físico par identificar o problema. Dessa forma o profissional examina toda a região corpórea do indivíduo, para achar os vergões e analisá-los. Geralmente isso acontece enquanto ele faz aqueles questionamentos citados anteriormente.

Em alguns casos é que se solicita a realização de um exame específico da pele e de um hemograma, para ter certeza de que o problema em questão é Urticária. Em último caso se pede a realização de uma biópsia da epiderme para se confirmar de vez o resultado do diagnóstico.

Quais os exames mais realizados?

Já vimos alguns exames que é pedido para se diagnosticar a Urticária não é verdade? Mas nesse tópico você verá que tem diversos outros para cada tipo de urticária suspeita. Veja os mais comuns a seguir:

  • Teste cutâneo: indicado para descobrir o possível agente causados da alergia;
  • Exame de sangue: para observar as reais condições em que o organismo se apresenta;
  • Biópsia da pele: para saber se de fato trata-se de uma Urticária ou se é outra enfermidade da pele;
  • Dermografismo sintomático: É feito para confirmar o diagnóstico. O exame consiste em aplicar pressão com um determinado instrumento, normalmente na região dorsal da mão. Quando essa parte fica elevada ou inchada, quer dizer que a Urticária é fatídica;
  • Urticária de contato frio: esse exame consiste em colocar algo gelado na mão do indivíduo ou afundá-la em água fria para ver se o organismo apresenta alguma reação;
  • Urticária solar: para identificá-la se expõe o indivíduo a luz do sol ou a um simulador dessa luz. A duração dessa exposição é curta mas é suficiente para quem tem urticária do gênero produzir reação;
  • Urticária retardada de pressão: nesse caso a pressão é feito dando um peso de no mínimo sete quilos para que o indivíduo segure por um intervalo rápido de minutos. Isso é feito para identificar possíveis reações do organismo. Esse processo avaliativo é o mais duradouro, perdurando por até seis horas de análise;
  • Urticária Vibratória: para identifica-la estimula-se o antebraço com movimentos vibratórios, em um intervalo de dez minutos. Quem possui essa urticaria vai produzir reações ao teste;
  • Urticária aquagênica: Na pele é aplicada por cerca de vinte minutos um algodão umedecido com água para observar as reações;
  • Urticária colinérgica: Nesse teste orienta-se que o indivíduo faça algumas atividades físicas, a fim de que a temperatura do seu corpo aumente. Ou ainda pode-se afundar uma de suas mãos em água com temperatura quente.

Tratamento adequado para Urticária

O tratamento será orientado de acordo com a gravidade e o tipo de urticária. Se ela se apresentar de forma mais leve, na maioria dos casos acaba desaparecendo sozinha. Contudo, em alguns casos é preciso a medicação com determinados remédios apropriados. Dentre os principais destacamos os anti-histamínicos.

Caso o quadro seja de nível grave, inclusive se o inchaço atingir a região da garganta, é imprescindível o uso de injeção emergencial com adrenalina ou ainda injetar corticoesteroides. Se não for tratada com urgência essa situação pode acabar comprometendo sua capacidade de respiração.

O principal a se fazer é evitar o contato com o agente desencadeante. A lesão desaparece sozinha em algumas horas ou dias. Mas caso isso não aconteça, é sugerido os anti-histamínicos, são conhecidos como antialérgicos. Eles ajudam a aliviar os sintomas, mas deixam o paciente sonolento. Estes antialérgicos são usados com frequência, pois não há muitos efeitos colaterais e duram mais tempo.

Tratamentos caseiros para Urticária:

  • Banho de Vinagre de Maçã
  • Chá Urtiga
  • Pasta de Bicarbonato de Sódio
  • Chá de Camomila
  • Sais de Epsom
  • Compressa Fria
  • Açafrão
  • Manjericão
  • Hortelã
  • Banho de Aveia

Tratamentos caseiros existem aos montes, e as seguir separamos duas receitinhas básicas para você aperfeiçoar o tratamento contra a Urticária.

Receita 1: Pegue uma cebola de sua preferência e corte ela em formato de rodela. Em seguida coloque sobre o local afetado, cobrindo-o com uma toalhinha e deixando agir por no mínimo trinta minutos. É super natural que inicialmente comece arder a região, mas não se preocupe, a cebola tem em sua composição, substâncias com capacidade anti-inflamatória e antisséptica, e por isso é ótima para ajudar a melhorar a Urticária;

Receita 2: Separe um pouco de erva de camomila para fazer um chá. Separe duas colheres dela para uma xícara de água e se quiser acrescente uma colherzinha de mel. Bebê-lo diariamente, no mínimo três vezes, pode ajudar muito as pessoas que desenvolveram urticária por conta de problemas emocionais.

Remédios mais usados para Urticária

Existem vários tipos de remédios voltados para o tratamento da Urticária, mas destacamos aqui os dez principais. Lembrando que você não pode se automedicar pois isso pode gerar riscos perigosos para a sua saúde.

  • Allegra;
  • Asmofen;
  • Betametasona;
  • Betatrinta;
  • Celestone;
  • Cetirizina;
  • Claritin;
  • Claritin D;
  • Desalex;

Principais fatores de Risco de Urticária

Existem algumas condições que aumentam ainda mais a chance de uma pessoa desenvolver Urticária. Se você se encaixa em uma delas pode tomar muito cuidado e fazer o possível para preveni-la.

Notícia Diárias Para Quem Não Tem Tempo

De forma geral quem já teve alguma vez um episódio de Urticária, pode voltar a ter novamente. As pessoas que também sofreram com reações decorrentes de alergias estão mais propensas. Outros casos que contribuem para o surgimento da Urticária são:

  • Existência de problemas ligados a doença em questão, tais como lúpus, linfomas ou problemas na tireoide;
  • Histórico familiar de alguém da família que teve o problema ou alguma reação decorrente de alergia em comum.

Qual a melhor forma de convier com o problema?

No caso das pessoas diagnosticadas com a Urticária, é possível tomar algumas providências que ajudem a atenuar os sintomas desconfortáveis provocados por ela, a fim de que o processo de tratamento seja menos desconfortável. Dentre as dicas que você pode seguir estão:

  • Evitar contato com substâncias que podem gerar alergias, consumir determinados alimentos e remédios;
  • Com orientação médica é bom usar anti-histamínicos, visto que auxiliam no processo de redução das coceiras;
  • Usar compressas de água fria é ótimo para ajudar a desinchar os vergões;
  • Tomar banho morno ou frio em uma banheira pode também auxiliar no alívio das coceiras;
  • Evitar aplicar pressão nas regiões afetadas e deixar de usar roupas justas demais.

Existem possíveis complicações?

Como qualquer outra doença, se não cuidada a forma correta pode evoluir e prejudicar ainda mais a saúde do indivíduo. Com relação a Urticária pode surgir problemas como:

  • Anafilaxia, que nada mais é do que uma reação de caráter alérgico que atende o corpo da pessoa, em sua totalidade, prejudicando sua capacidade respiratória, comprometendo a sua vida;
  • Problemas com garganta inchada, que também pode comprometer a respiração, uma vez que bloqueia as vias responsáveis por ela, deixando o indivíduo com elevado risco de morte.

A Urticária pode ser curada?

O problema em questão, na maioria das vezes causa muito desconforto, porém em algumas situações não oferecem perigo a saúde humana e costuma desaparecer naturalmente. Vale enfatizar que a maioria dos diagnósticos de Urticária não conseguem descobrir a causa direta que desencadeou a doença, porém quando o tratamento é recomendado, com toda certeza seu desempenho é eficaz para a melhora do indivíduo.

É possível preveni-la?

Mais uma vez enfatizamos que no caso e pessoas com maior propensão a desenvolvê-la, o que se pode fazer para a efetiva prevenção é evitar contato com agentes causadores de alergias e evitar comer alimentos que são considerados agentes também condicionantes. Essa sem dúvida é a forma mais básica de prevenção.

É possível que a Urticária de nível agudo possa evoluir para nível crônico?

Basicamente podemos diferenciar ambos níveis do problema por intermédio do tempo em que os sintomas e complicações de cada uma costuma durar. De forma geral, o indivíduo é inicialmente diagnosticado com a urticária do tipo agudo, entretanto durante observações em cima da evolução e desenvolvimento do problema, caso perdure ou ultrapasse um período médio de seis semanas, aí sim o profissional confirma o diagnóstico de uma urticária mais grave: a crônica.

Existe a chance de pegar Urticária de alguma pessoa afetada?

Muitas pessoas possuem essa dúvida, mas iremos esclarecê-la de uma vez por todas: Não! Não há como você ficar com urticária se ter contato com alguém que tenha e isso se justifica pelo simples fato de que o problema não tem caráter contagioso. Então, não importa se um indivíduo está apresentando os sinais característicos da urticária, o fato de você ficar perto ou ter algum tipo de contato não é o suficiente para que você venha enfrentar também o problema.

Todas as mudanças que a pele sofre é consideravelmente normal e sofrer com urticária é algo que todos estamos suscetíveis em qualquer circunstância da nossa vida, e na maioria dos casos não tem como saber porque ela surgiu ou como surgiu aparentemente. Portanto você pode cuidar normalmente de alguém com urticária, sem a menor preocupação com relação ao contágio: que inclusive não existe nesta condição.

Além disso, vale saber que boa parte das pessoas diagnosticadas com urticária conseguem melhorar completamente e não chegam a apresentar complicações advindas do problema e inclusive é a minoria que acaba tendo mais de uma vez a incidência da urticária, o que mostra também que o fato de sofrer com o problema uma vez não indica necessariamente que você terá chance de tê-lo várias vezes em sua vida.

Claro que há quadros mais graves onde o paciente precisa ser monitorado com maior frequência, mas essas situações são uma exceção. Além disso, independente do fato da urticária não ser um problema que coloque a vida do indivíduo em risco, o tratamento é fundamental, pois ele pode prejudicar o dia a dia dele e impedi-lo de realizar as tarefas mais básicas do seu dia a dia, em decorrência das intensas coceiras, como por exemplo.

É importantíssimo fazer corretamente todo o tratamento indicado para o seu caso e ainda fazer todas medidas necessárias para se prevenir todos os fatores conhecidos que podem contribuir para o problema e impedir que a situação enfrentada venha sofrer qualquer tipo de agravo desnecessário. Inclusive, cuidar diariamente da pele e ter o apoio da família e dos amigos é fundamental para que a melhora do indivíduo aconteça o mais rápido possível, pois a urticária afeta muito a vida de quem é afetada por ela, não só em questões de desconforto físico, como também fatores psicológicos como depressão e ansiedade podem acometê-lo.

Se por acaso você conhecer alguém que está enfrentado esse problema, ajude-a a encará-lo e fazer o tratamento da forma mais correta, incentivando-o a nunca desistir e mostrar que você está do seu lado para apoiá-lo nessa batalha difícil. Mostre esse texto a todos os familiares do paciente para ensiná-los a como cuidar e ajudar alguém que passa por um problema como esse. Aliás, qualquer alteração anormal que você venha perceber na sua pele não espere para procurar um médico da área. Quanto mais cedo você conseguir diagnosticar seu problema, mais fácil será trata-lo e ainda você poderá se livrar de sintomas que costumam surgir quando ele avança, porque o médico consegue escolher os métodos mais eficazes para o seu caso e assim te ajudar melhor a superá-lo.

Cuidar da saúde deve se tornar prioridade em nossa vida. Portanto não pense duas vezes antes de ir atrás de ajuda médica para você e para as pessoas que você ama. Sua saúde agradece e as das pessoas que fazem parte de seu convívio também. E não hesite em buscar auxílio psicológico, que é ótimo para enfrentar problemas não só como esse, mas qualquer outro que você esteja enfrentando.

Veja também este vídeo sobre a urticária (1:39)

Leave A Reply

Your email address will not be published.